Monthly Archives: Fevereiro 2013

A verdade sobre os suplementos alimentares


Este tema não está directamente relacionado com o mudar as nossas atitudes para contribuirmos para um melhor planeta,é mais uma informação que acho útil partilhar. Aqui vai ela:

Há muitas pessoas que recorrem aos suplementos alimentares, pois pensam que é tudo natural e não tem qualquer consequência. Se é uma das pessoas que recorre a estes suplementos alimentares que se vendem em farmácias ou outras lojas, quer seja para emagrecer ou outro fim, saiba que os suplementos alimentares não são regulados por qualquer organismo de saúde, mas sim pelo Ministério da Agricultura.

Tenha em atenção que suplemento alimentar é diferente de suplemento nutricional! Os suplementos nutricionais são complexos de vitaminas e sais minerais, são regulados pelo Infarmed (Instituto Nacional da Farmácia e do Medicamento), portanto, estes são licenciados, regulados e fiscalizados.

Os suplementos alimentares são licenciados pelo Ministério da Agricultura como alimentos, na base que são constituídos por extractos de plantas e não passam nem pelo Infarmed, nem pela Direcção-Geral de Saúde, nem pelo Ministério da Saúde. Esta disposição deriva de uma directiva europeia, que copia os EUA e protege grande lobbies, que deste modo introduzem produtos no mercado, que passam a ser vendidos como medicamentos, sem passar pelo complicado circuito dos licenciamentos dos medicamentos. Assim, como não são medicamentos, não podem alegar que curam, tratam ou previnem doenças. Podem alegar pela positiva que promovem a “saúde” ou melhorias em “funções ou estruturas”. Deste modo, como não são considerados medicamentos, não precisam de abordar as acções secundárias, nem incompatibilidade com medicamentos e a segurança ou eficácia não têm de ser demonstradas.

Por exemplo: A ephedra sinica ou Ma Huang, uma planta da Ásia Central da qual se extrai a efedrina, produto que é largamente utilizado para o emagrecimento, tendo grandes consequências na saúde, foi proibida pela Agência Europeia do Medicamento, mas ela passa ao lado, sob a forma de suplemento alimentar, licenciado pelo Ministério da Agricultura.

Em Portugal, estes produtos não passam, pois, nem pelo Infarmed, nem pelo Ministério da Saúde. Esse desvio dos Suplementos Alimentares para o Ministério da Agricultura, rodeando as regras aplicáveis aos medicamentos, tal como nos EUA, explica-se se soubermos que, tanto nesse país como na Europa, este comércio envolve biliões de dólares e milhões de euros.

Este tema acaba por estar relacionado com adquirir novos hábitos para contribuir para um mundo melhor, na medida em que  saber o que se passa à nossa volta, saber que a pessoa que mora no nosso prédio não é correcta (seja porque mete os sacos do lixo espalhados pelo chão ou porque é um corrupto) e várias pessoas o saberem pode levar a uma pressão social sobre essa pessoa e assim levar a que ela aja mais dentro dos parâmetros, ditos, correctos. Assim, considero que este tema nos pode alertar que o que “o vizinho do lado faz diz-nos respeito”. Não estou a dizer para andarmos a saber mais da vida dos outros que da nossa, nada disso, estou apenas a querer dizer que é importante haver pressão social, que é importante saber o que se passa à nossa volta (quer em grande escala como em pequena) porque estes factores, do meu ponto de vista, podem contribuir para uma melhor sociedade.

“Batendo na mesma tecla”, porque acho mesmo importante, adquira este hábito: Informe-se sempre! Questione-se e procure encontrar a resposta!

fonte: livro da Professora Isabel do Carmo

Anúncios

Estar informado é essencial!

– Tem estado a par das notícias?
– Qual foi a sua reacção à carne de cavalo que andou a ser vendida e consumida como carne de vaca?
– Consegue relacionar esta noticia com os posts anteriores: acção reacção e poluentes conservativos?

Pois é, o facto de se consumir carne de cavalo que não foi criada para consumo pode causar problemas na saúde humana, pois o cavalo foi criado como animal ‘domestico’ levando assim um tratamento diferente da carne produzida para consumo humano.

Suponhamos que este tenha estado sujeito a vacinações com constituintes  bioacumuláveis. Assim, após morrer continua a possuir no seu organismo os constituintes da vacina (bioacumulação), pelo que quando vamos consumir esta carne vamos ingerir estes constituintes que nos poderão prejudicar. (Nota: é apenas uma suposição, não sei se tal acontece ou não, infelizmente não consegui adquirir informação para tal. Portanto tenha em atenção que o exemplo acima não tem fundamento comprovativo, é apenas uma forma de despertar o seu lado de questionar o que se passa à sua volta).

É muito importante termos acesso a uma informação correcta, pelo que devemos ‘lutar’ por ela e contribuir para tal. Se se lembrar do vídeo do exemplo 3 no post acção reacção, lá temos o exemplo de que nem tudo o que esta no rotulo do alimento é o que estamos realmente a comer…

Adquira este novo hábito, ‘lute’ e contribuía para uma melhor informação!

Já se imaginou a nadar neste lago?

Image

Neste blog já falei de eutrofização, ou melhor, referi os factores que contribuem para a eutrofização, como é o caso dos detergentes ricos em fosfatos.

Eutrofização significa bem (eu) nutrido (trophein), assim quando se diz que um lago está eutrofizado, na realidade estamos a dizer que um lago está bem nutrido. Estar bem nutrido significa que o lago se encontra rico em nutrientes.

Os principais nutrientes que contribuem para este fenómeno são os compostos químicos ricos em fósforo e/ou azoto, como detergentes e fertilizantes. No caso dos detergentes, entram no sistema sanitário e acabam por ser despejados nos rios, quando não são tratados em ETAR’s. No caso dos fertilizantes, quando ocorrem chuvas, estas vão arrastar estes compostos  até ao rio e lagos, contribuindo assim para o processo de eutrofização.

A eutrofização não tem origem apenas nas causas antropogénicas, por vezes também ocorre de forma natural. Mas é importante o ser humano não intensificar estes processos.

O facto de haver muitos nutrientes disponível na massa de água leva a um aumento da quantidade de algas. Uma elevada quantidade de algas promove o desenvolvimento de consumidores primários, o que implica um aumento da biomassa. O facto de haver uma elevada biomassa leva a uma diminuição da quantidade de oxigénio dissolvido, deste modo ocorre a morte dos diversos seres vivos e consequentemente a sua decomposição. Este processo altera bastante o ecossistema diminuindo a qualidade da água.

Adquira novos hábitos, evite o consumo de comida proveniente de agricultura intensiva de fertilizantes e evite a utilização de produtos constituídos por fosfatos e azotos.

Note: Evitar consumir alimentos provenientes de agricultura intensiva em fertilizantes não só contribui para não alterar o equilíbrio do ecossistema de um lago como contribui para uma melhor saúde (reveja o post Acção Reacção, mais concretamente o video do exemplo 3)  As consequências dos pesticidas e similares. )

fonte: conhecimentos adquiridos

fonte da imagem: images.google.pt

A sua opinião importa

Este é o primeiro post de Fevereiro, e como a sua opinião importa e nós o queremos ajudar a ter uma opinião mais formada (para uma boa opinião sobre um determinado tema é importante estar bem informado sobre ele). Assim, queremos ajuda-lo a chegar a informação até si, pelo que no início de cada mês gostamos de saber que temas quer ver abordados e diga-nos também o que achou dos post’s do mês anterior:

O que é uma Pegada?

>  Acção Reacção

Como usar e escolher o detergente de forma consciente?

Poluentes conservativos

opinião 2

fonte da imagem: http://images.google.pt/

Obrigado pela sua colaboração!