Monthly Archives: Outubro 2013

Pratique os bons hábitos. Cuide de si, cuide de todos!

Teve a par das notícias?

Uma das notícias desta semana foi sobre terem sido detectados resíduos mínimos de medicamentos e cafeína na água de Lisboa. Estes resíduos muitas vezes chegam à nossa água simplesmente pelas excreções do nosso organismo outras vez por gestos inconscientes como deitar medicamentos pela sanita, pode ver um destes exemplos aqui.

Após ter lido esta notícia considerei importante relembrar como todos os nossos gestos têm impacto na Natureza, e consequentemente, impacto em cada um de nós!

Adquira e pratique estes gestos: não deite nenhum lixo quer pela sua sanita, quer para o chão, e tente reciclar o máximo que conseguir. Com estes gestos estará a cuidar de si, dos seus, de todos!

Image

Anúncios

O saber não ocupa lugar

Já conhece os sites de cursos online gratuitos? Alguns até dão certificados gratuitos, outros pode-se assistir ao curso e se depois quiser pede-se e paga-se o certificado, mas o acesso ao curso é totalmente grátis!

Se já conhece, faz muito bem em investir em si, ou simplesmente em “matar” a curiosidade do saber mais um pouco 🙂

Se não conhece, aqui fica um link com o top 50 dos sites com cursos online gratuitos!

Adquira este novo hábito, estude nas universidades estrangeiras sem sair do seu país!

Image

fonte da imagem: images.google.com

fonte: http://www.opencolleges.edu.au/informed/features/free-online-courses-50-sites-to-get-educated-for-free/

Dizer não à discriminação

Esta semana trago-vos um documentário sobre Jane Elliott, descobria há pouco tempo mas rapidamente se tornou em mais uma das pessoas importantes e inspiradoras para mim. Na minha opinião, pessoas com esta garra devem serem dadas a conhecer para inspirar outros, e por isso esta semana aconselho-vos a ver os videos que se encontram neste link.

Para quem nunca ouviu falar de Jane Elliott, é um professora que no dia 4 de Abril de 1968, dia do assassinato de Martin Luther King, ficou bastante incomodada com a questão do racismo e de toda a discriminação que se sentia na América, sobretudo no seu local de residência. Assim, decidiu que no dia seguinte ia fazer um exercício com os seus alunos, pois falar apenas não iria fazer com que eles entendessem o que era ser discriminado. Desta forma recriou uma situação de discriminação separando as crianças de olhos azuis das de olhos castanhos, e considerando que um grupo era superior ao outro, sendo que no dia seguinte reverteu a superioridade. Quando o exercício acabou (teve a duração de 2 dias), falaram sobre as sensações experimentadas, desta forma, Jane Elliott, conseguiu reproduzir nestas crianças o que é ser discriminado, levando-as a nunca virem a ter preconceito e discriminação, como se pode comprovar na entrevista realizada 14 anos depois.

Claro que em tempos de discriminação muito severos, como foi o caso, Jane Elliott teve muitas repercussões pela sua atitude, vindo a sofrer muito pelo mal que foram fazendo aos seus entes-queridos como meio de a atingir a ela. Na minha opinião, é de louvar o que esta senhora fez e tenho pena de não ser feito nas escolas portuguesas este exercício. Informo que Jane Elliott repetiu este exercício para os adultos, mas sem reverter o papel, pois tudo o que fez tem a sua lógica e se vir os vídeos vai entender.

Deixo-vos aqui uma frase da Jane Elliott que, gostei imenso, e que penso que lhe deve ter servido de alento na sua vida enquanto professora:

“Just when you think that the fertile soil can sprout no more, another season comes round, and you see another year of bountiful crops, tall and straight. It makes you proud”

Adquira este novo hábito, cultive-se e cultive a sua relação com os outros, diga não à discriminação!

Image

fonte da imagem: images.google.com – Jane Elliott com a turma de 1968

fontes:

http://www.smithsonianmag.com/history-archaeology/lesson_lifetime.html?c=y&page=1

http://www.pbs.org/wgbh/pages/frontline/shows/divided/etc/view.html

Efeitos na saúde de uma má qualidade do ar interior

Na semana passada o post falava um pouco da importância da qualidade do ar interior. Esta semana trago-vos os diversos efeitos na saúde que uma má qualidade do ar interior pode trazer.

Antes de referir os diversos efeitos na saúde, convém fazer a ressalva que esses efeitos não são exclusivamente resultado da qualidade do ar interior, pois alguns destes efeitos também podem ser consequências de outros factores alheios à qualidade do ar interior. Assim fica aqui os efeitos na saúde que costumam estar relacionados com uma má qualidade do ar interior, mas caso sinta algum destes, lembre-se que também pode haver outro factor, não culpe logo o ar de sua casa ou do seu trabalho 🙂

São eles:

  • Infecções no trato respiratório superior (sinusite, faringite, laringite);
  • Asma alérgica;
  • Bronquite;
  • Gripe;
  • Pneumonia;
  • Tosse;
  • Falta de ar;
  • Dor de garganta;
  • Dor de cabeça;
  • Náuseas;
  • Irritação dos olhos;
  • Conjuntivites;
  • Cancro;
  • Defeitos Congénitos;
  • Problemas imunológicos;
  • Problemas do sistema nervoso;
  • Dificuldades reprodutivas;
  • Problemas no desenvolvimento;
  • Problemas oculares;
  • Problemas dérmicos;
  • Problemas respiratórios.

Se, por exemplo, tiver um destes sintomas sempre que está num dado local, e mais pessoas sintam o mesmo nesse local, é possível que esse local tenha uma má qualidade do ar interior.

Adquira este novo hábito, tenha em atenção a qualidade do ar interior!

Image

fonte da imagem: images.google.com

fonte: conhecimentos adquiridos