Category Archives: Saúde

Que brinquedos comprar?

O Natal aproxima-se e com ele as prendas, tenha em atenção os brinquedos que compra, pois podem trazer consequências para os mais novos!

Aqui fica um exemplo dos riscos presentes nos brinquedos, mas pode haver mais riscos!

Adquira este novo hábito, informe-se sobre as suas escolhas.

Pratique os bons hábitos. Cuide de si, cuide de todos!

Teve a par das notícias?

Uma das notícias desta semana foi sobre terem sido detectados resíduos mínimos de medicamentos e cafeína na água de Lisboa. Estes resíduos muitas vezes chegam à nossa água simplesmente pelas excreções do nosso organismo outras vez por gestos inconscientes como deitar medicamentos pela sanita, pode ver um destes exemplos aqui.

Após ter lido esta notícia considerei importante relembrar como todos os nossos gestos têm impacto na Natureza, e consequentemente, impacto em cada um de nós!

Adquira e pratique estes gestos: não deite nenhum lixo quer pela sua sanita, quer para o chão, e tente reciclar o máximo que conseguir. Com estes gestos estará a cuidar de si, dos seus, de todos!

Image

Efeitos na saúde de uma má qualidade do ar interior

Na semana passada o post falava um pouco da importância da qualidade do ar interior. Esta semana trago-vos os diversos efeitos na saúde que uma má qualidade do ar interior pode trazer.

Antes de referir os diversos efeitos na saúde, convém fazer a ressalva que esses efeitos não são exclusivamente resultado da qualidade do ar interior, pois alguns destes efeitos também podem ser consequências de outros factores alheios à qualidade do ar interior. Assim fica aqui os efeitos na saúde que costumam estar relacionados com uma má qualidade do ar interior, mas caso sinta algum destes, lembre-se que também pode haver outro factor, não culpe logo o ar de sua casa ou do seu trabalho 🙂

São eles:

  • Infecções no trato respiratório superior (sinusite, faringite, laringite);
  • Asma alérgica;
  • Bronquite;
  • Gripe;
  • Pneumonia;
  • Tosse;
  • Falta de ar;
  • Dor de garganta;
  • Dor de cabeça;
  • Náuseas;
  • Irritação dos olhos;
  • Conjuntivites;
  • Cancro;
  • Defeitos Congénitos;
  • Problemas imunológicos;
  • Problemas do sistema nervoso;
  • Dificuldades reprodutivas;
  • Problemas no desenvolvimento;
  • Problemas oculares;
  • Problemas dérmicos;
  • Problemas respiratórios.

Se, por exemplo, tiver um destes sintomas sempre que está num dado local, e mais pessoas sintam o mesmo nesse local, é possível que esse local tenha uma má qualidade do ar interior.

Adquira este novo hábito, tenha em atenção a qualidade do ar interior!

Image

fonte da imagem: images.google.com

fonte: conhecimentos adquiridos

A importância da qualidade do ar interior

Esta semana ouviu-se falar dos ambientadores domésticos nocivos para a saúde, caso não esteja a par desta notícia pode encontra-la aqui ou aqui ou aqui, entre outros sites.

Hoje pretendo não falar apenas desta notícia, até porque nos links referidos em cima pode encontrar imensa informação sobre a nocividade destes ambientadores para a saúde. Assim pretendo apenas informa-lo sobre outros produtos que usamos no nosso dia-a-dia e que contaminam o ar das nossas casas trazendo posteriormente diversas consequências para a nossa saúde e, deste modo, leva-lo a ter em atenção a qualidade do ar interior, visto que mais de 95% do seu tempo é passado em locais fechados (residências, escritório, escolas, meios de transporte, repartições públicas, etc).

Tudo o que gere partículas pode ter efeitos na sua saúde, principalmente as partículas mais finas, uma vez que estas podem transportar substâncias tóxicas (sulfatos, nitratos, metais pesados e hidrocarbonetos) para as vias respiratórias atingindo os alvéolos pulmonares, provocando dificuldades respiratórias e por vezes danos permanentes. Temos como exemplo o fumo do tabaco e de lareiras, mas também alcatifas, estofos e tecidos podem contribuir negativamente para a sua saúde uma vez que libertam partículas e são também bons acumuladores de microorganismos.

Vários produtos que usamos no nosso dia-a-dia, como produtos de limpeza e de cosméticos contêm formaldeído. Este composto pode provocar cancro, além de irritação ocular, edema pulmonar e danos no tracto respiratório.

Também as tintas usadas nas paredes de sua casa ou do seu local de trabalho, assim como papel de parede de vinil, estuques, tapetes, alguns soalhos e móveis, libertam COVs (Compostos Orgânicos Voláteis), estes podem levar a náuseas, irritação ocular, leucemia, cancro da pele e do pulmão.

Como pode ver, há muita coisa que afecta a qualidade do ar interior e a qualidade deste é bastante importante para o nosso bem-estar e saúde. Assim passe a ter mais atenção aos produtos que usa em sua casa, pois muitas vezes achamos que estamos a “limpar oar ou a nossa casa”, quando na realidade estamos é a piorar a qualidade do ar da nossa casa! Por isso vou-lhe deixar um conselho bem simples, procure renovar o ar da sua casa, mas também não exagere criando correntes de ar =)

Adquira este novo hábito, tenha em atenção a qualidade do ar interior!

Image

fonte da imagem: images.google.com

fonte: conhecimentos adquiridos

Ruído, um problema ambiental e da saúde.

Antes de avançar para os problemas do ruído, é importante informar que existem várias categorias de ruído, são elas, ruído no interior dos meios de transporte, ruído proveniente de actividades domésticas, ruído dos veículos e infra-estruturas rodoviárias e ferroviárias, ruído de aeronaves,  ruído de equipamento industrial e de exterior e maquinaria móvel.

Sabia que o ruído é um dos principais problemas ambientais na Europa?

A importância desta problemática deve-se aos efeitos nocivos para a saúde e bem-estar resultantes da exposição ao ruído ambiente. O efeito que o ruído tem na nossa saúde não é apenas a perda de capacidade auditiva, alias, os efeitos do ruído podem ser divididos em três categorias: (1) Efeitos psicofisiológicos, (2) Efeitos individuais, e (3) Efeitos sociais.

Como exemplo de efeitos psicofisiológicos temos a perda de capacidade auditiva que tanto pode resultar em surdez permanente ou em surdez transitória. O tipo de surdez depende das exposições ao ruído e da intensidade do mesmo. Outro exemplo é a perturbação do sono que pode levar à impossibilidade de dormir, ao despertar ou à diminuição da qualidade do sono, tendo como consequências: stress, problemas no sistema cardiovascular, digestivo ou imunológico. Também a exposição a ruídos intensos contribui para dores de cabeça, náuseas, instabilidade, irritabilidade, ansiedade, impotência sexual e alterações no afecto ou humor.

Como pode constatar pelos efeitos psicofisiológicos resultantes da exposição ao ruído este é realmente um grande problema para o bem-estar e saúde. Existem ainda mais efeitos que se encontram nas outras duas categorias, mas que não vou aqui enumerar, mas caso tenha curiosidade não hesite em perguntar 🙂

Devido aos efeitos na saúde e bem-estar, foi criada a Directiva 2002/49/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, que tem como objectivo evitar, prevenir e reduzir os efeitos prejudicais da exposição ao ruído ambiente. Trata-se de uma directiva que abrange apenas as principais fontes de ruído, por forma a proteger os receptores sensíveis ao ruído, tais como habitações, escolas, hospitais, áreas verdes protegidas, etc. No âmbito desta directiva tornou-se obrigatório em determinadas zonas de interesse a elaboração de mapas de ruído estratégico.

Através de um Mapa de Ruído de um determinado concelho é possível ter uma noção da distribuição do ruído desse mesmo concelho. Suponha que está a procura de casa, será que a rua onde está à pensar vir a morar não será demasiado barulhenta tendo posteriormente consequências na sua saúde e bem-estar?

Adquira este novo hábito, observe o mapa de ruído da sua zona de residência.

Ah, e se pensam que esta questão do ruído são “modernices”, fique a saber que em 44 a.C., Júlio César proibiu as carroças durante a noite em Roma 🙂

Image

fonte da imagem: images.google.com

fontes:

Conhecimentos adquiridos

Directiva 2002/49/CE do Parlamento Europeu e do Conselho

Decreto-Lei n.º 146/2006, 2006

Não faça da sua sanita um caixote de lixo

Um dos meus primeiros post’s foi alertar para o não colocar cotonetes pela sanita e dando uma leves luzes do funcionamento de uma ETAR, nesse mesmo post, referia também como as nossas acções recebem sempre uma resposta. Pode reler esse post aqui.

Hoje venho alertar de novo que a sanita não é um recipiente para colocarmos os nossos resíduos. Isto porque, no outro dia, uma senhora comentava comigo “Ah, desde que descobri que dar os medicamentos à farmácia é tudo um negócio para África, passei a deitar todos os meus medicamentos pela sanita”, foi então que informei a senhora que não o devia fazer, uma vez que ao deitar os medicamentos pela sanita estes dissolviam-se na água e, consequentemente, teriam efeitos na Natureza.

Para exemplificar, temos o caso de peixes machos com gónadas feminina, isto é, dentro dos órgãos sexuais masculinos desenvolveram-se órgãos sexuais femininos. Este acontecimento está relacionado com o facto da população feminina consumir a pílula, constituída por  hormonas femininas, e aquando das suas necessidades fisiológicas estas hormonas são excretadas. Se na ETAR não houver tratamento destes desreguladores endócrinos então estes terão o seu efeito na Natureza, neste caso, os peixes macho passam a ter gónadas femininas (se quiser saber mais e melhor sobre este caso exemplificativo veja aqui). Com outros medicamentos que não envolvam estas hormonas irão ocorrer outras reacções, consequentemente, não só afecta as outras espécies, como nos poderá afectar a nós se consumirmos estes peixes, ou outro animal afectado. É muito importante, que em cada acção nossa, não esqueçamos que tudo tem uma resposta, e por isso devemos ter acções o mais conscientes possíveis.

A senhora ficou muito admirada ao ter a noção deste seu acto e questionou-me “Mas se eu colocar no caixote de lixo ainda alguém os toma, ou até mesmo um animal”, eu sugeri a senhora “se não quer mesmo entrega-los na farmácia talvez, colocar no lixo de forma menos acessível, quer para as pessoas, quer para os animais, por exemplo, dentro de um frasco fechado, ou de uma garrafa de plástico fechada, e até pode incluir um papel a informar as pessoas para não consumirem. Assim os animais não acedem ao medicamento, e as pessoas se o acederem é por própria vontade, pois deixa lá a informação que não devem consumir”.

Adquira este novo hábito, não deite nenhum lixo pela sua sanita!

Image

fonte da imagem: run.unl.pt/bitstream/10362/1142/1/diniz_2005.pdf

A verdade sobre os edulcorantes

Esta semana enquanto fazia as minhas compras e observava os ingredientes de um dos produtos, comentavam comigo que o aspartame era cancerígeno. Portanto pôs mãos à obra e procurei informar-me melhor, esta semana esta é a minha partilha de informação convosco 🙂

O aspartame, assim como a sacarina, o ciclamato, o acesulfame de potássio e a sucralose, são edulcorantes/adoçantes. Um produto pode ter um adoçante ou mais que um.

De todos os edulcorantes referidos, o mais usado é sem dúvida o aspartame. Sendo este constituído por dois compostos das proteínas: o ácido aspártico e a fenilalanina. Estes compostos das proteínas existem nos ovos, queijo, leite, e em menor quantidade na banana.

Ao longo de mais de 30 anos, nunca se provou que os edulcorantes/adoçantes fossem tóxicos e muito menos cancerígenos. Na realidade até são úteis num plano alimentar de redução de peso e de tratamento da diabetes. Estes podem ser:

> adicionados a bebidas, lacticínios e cereais;

> cozinhados, desde que não cheguem a altas temperaturas;

> não devem ser usados em pessoas com fenilacetonuria.

A fenilacetonuria é uma doença genética que provoca nas pessoas a impossibilidade de metabolizar a fenilalanina (um dos compostos proteicos do aspartame), esta é detectada no teste do pezinho. Quando é detectada, as crianças até à adolescência têm de consumir o mínimo de fenilalanina. É importante referir que a quantidade de fenilalanina presente no aspartame é pequena quando comparada com a de outros alimentos proteicos, como, por exemplo, o ovo. Um comprimido de aspartame (por ex: Canderel) tem 11 mg de fenilalanina, já a clara do ovo tem 350 mg. Contudo, estes jovens não devem consumir o aspartame, por isso os alimentos com este aminoácido apresentam no rótulo a frase: “Contém uma fonte de fenilalanina”.

É também importante referir, como medida de precaução, não se deve dar edulcorantes a todas as crianças até aos dois anos de idade, e devem ser dados apenas em quantidades moderadas a crianças em geral.

Adquira este novo hábito, procure informar-se!

Image

fonte: livro da professora Isabel do Carmo

fonte da imagem: images.google.com

Um raio de sol pode ser ‘fatal’

Este post pretende alertar as pessoas para terem em atenção a sua saúde e bem-estar, daí o título alarmista.

Antes de entrar pela parte da radiação ultravioleta e os possíveis danos na saúde, vou falar um pouco da camada do ozono (sim, porque quando nós prejudicamos o funcionamento da natureza prejudicamos todos os seres vivos do planeta).

Existem dois locais onde podemos encontrar o ozono. Na troposfera onde ele é um poluente tóxico e pode causar graves problemas à saúde humana, este origina das emissões de gases de industrias, de escapes de automóveis  de fotocopiadoras, entre outros. E temos o ozono da estratosfera, onde se encontra a dita camada de ozono, é ela quem absorve grande parte das radiações ultravioletas protegendo a vida na Terra. É o ozono estratosférico que  nos interessa neste post. Este pode ser decomposto por várias reacções catalíticas quer naturais (emissão de grandes quantidades de partículas finas e aerossóis de ácido sulfúrico dos vulcões, as PSCs), quer antrópicas (sobretudo a emissão de CFC’s, actualmente já banidos mas que continuam a ter efeitos na deplecção da camada do ozono). Quando o ozono é decomposto a uma velocidade maior do que à que se forma (devido à introdução de poluentes quer naturais quer antrópicos), não consegue cumprir a sua função de absorver os UV, deixando-os assim chegar até nós.

Existe três tipos de radiação ultravioleta: UV-C, UV-B e UV-A. Em condições normais a camada do ozono absorve 100% da radiação UV-C (que é letal), 95% da radiação UV-B e 50% da radiacção UV-A (há-de observar que nos protectores solares costuma-se ler que protege UV-A e UV-B). Quando a camada do ozono é decomposta uma pequena percentagem de radiações UV atingem a superfície terrestre causando estragos a vários níveis, são eles:

  • Desequilíbrios no clima, influenciando o aumento da temperatura na camada inferior da atmosfera, portanto é um dos contributos para as alterações climáticas
  • Afecta os ecossistemas aquáticos, a intensificação das radiações UV interferem no crescimento, na fotossíntese e na reprodução do plâncton, estas plantas e animais microscópicos que se encontram na base das cadeias alimentares, são responsáveis por grande parte da produção de oxigénio do planeta, e por sua vez pela absorção do dióxido de carbono, ajudando a Terra no combate ao aquecimento global.
  • Consequências na produção agrícola que levam à redução de produtos alimentares, pois as radiações UV podem afectar todo o processo fotossintético,  ocorrendo assim um atraso no crescimento da planta, danos causados a nível das folhas e sementes levando o vegetal a ficar mais exposto ao ataque de pragas.
  • Degradação dos materiais utilizados na construção
  • Consequências ao nível da saúde como destruição de proteínas e do ADN, provocando cancros de pele, cataratas e alterações no sistema imunitário.

Como é importante que o publico em geral tenha informação sobre a radiação UV e sobre os possíveis danos, a comunidade cientifica definiu um parâmetro onde indica a exposição a esta radiação. Este parâmetro é o IUV – Índice UV que pode encontrar no site do Instituto Português do Mar e da Atmosfera. No mesmo site pode encontrar os cuidados a ter.

É importante referir que em quantidades adequadas (muito pequenas), as radiações ultravioletas são úteis à vida, contribuindo para a produção da vitamina D, indispensável ao normal desenvolvimento dos ossos.

Resumindo, um raio de sol pode ser ‘fatal’ se os níveis de ozono estiverem baixo e portanto os níveis de UV estarão altos, ai tome as devidas precauções!

Adquira, este novo hábito, antes de se expor ao sol perca uns segundos a ver qual o IUV para esse dia e proteja-se adequadamente!

Para hoje tem na imagem que se segue:

Image

fontes:

conhecimentos adquiridos

http://www.ipma.pt/pt/enciclopedia/amb.atmosfera/uv/index.html?page=cuidados_ter.xml

http://www.ipma.pt/pt/enciclopedia/amb.atmosfera/uv/index.html?page=cuidados_ter.xml

fonte imagem: http://www.ipma.pt

A verdade sobre os suplementos alimentares


Este tema não está directamente relacionado com o mudar as nossas atitudes para contribuirmos para um melhor planeta,é mais uma informação que acho útil partilhar. Aqui vai ela:

Há muitas pessoas que recorrem aos suplementos alimentares, pois pensam que é tudo natural e não tem qualquer consequência. Se é uma das pessoas que recorre a estes suplementos alimentares que se vendem em farmácias ou outras lojas, quer seja para emagrecer ou outro fim, saiba que os suplementos alimentares não são regulados por qualquer organismo de saúde, mas sim pelo Ministério da Agricultura.

Tenha em atenção que suplemento alimentar é diferente de suplemento nutricional! Os suplementos nutricionais são complexos de vitaminas e sais minerais, são regulados pelo Infarmed (Instituto Nacional da Farmácia e do Medicamento), portanto, estes são licenciados, regulados e fiscalizados.

Os suplementos alimentares são licenciados pelo Ministério da Agricultura como alimentos, na base que são constituídos por extractos de plantas e não passam nem pelo Infarmed, nem pela Direcção-Geral de Saúde, nem pelo Ministério da Saúde. Esta disposição deriva de uma directiva europeia, que copia os EUA e protege grande lobbies, que deste modo introduzem produtos no mercado, que passam a ser vendidos como medicamentos, sem passar pelo complicado circuito dos licenciamentos dos medicamentos. Assim, como não são medicamentos, não podem alegar que curam, tratam ou previnem doenças. Podem alegar pela positiva que promovem a “saúde” ou melhorias em “funções ou estruturas”. Deste modo, como não são considerados medicamentos, não precisam de abordar as acções secundárias, nem incompatibilidade com medicamentos e a segurança ou eficácia não têm de ser demonstradas.

Por exemplo: A ephedra sinica ou Ma Huang, uma planta da Ásia Central da qual se extrai a efedrina, produto que é largamente utilizado para o emagrecimento, tendo grandes consequências na saúde, foi proibida pela Agência Europeia do Medicamento, mas ela passa ao lado, sob a forma de suplemento alimentar, licenciado pelo Ministério da Agricultura.

Em Portugal, estes produtos não passam, pois, nem pelo Infarmed, nem pelo Ministério da Saúde. Esse desvio dos Suplementos Alimentares para o Ministério da Agricultura, rodeando as regras aplicáveis aos medicamentos, tal como nos EUA, explica-se se soubermos que, tanto nesse país como na Europa, este comércio envolve biliões de dólares e milhões de euros.

Este tema acaba por estar relacionado com adquirir novos hábitos para contribuir para um mundo melhor, na medida em que  saber o que se passa à nossa volta, saber que a pessoa que mora no nosso prédio não é correcta (seja porque mete os sacos do lixo espalhados pelo chão ou porque é um corrupto) e várias pessoas o saberem pode levar a uma pressão social sobre essa pessoa e assim levar a que ela aja mais dentro dos parâmetros, ditos, correctos. Assim, considero que este tema nos pode alertar que o que “o vizinho do lado faz diz-nos respeito”. Não estou a dizer para andarmos a saber mais da vida dos outros que da nossa, nada disso, estou apenas a querer dizer que é importante haver pressão social, que é importante saber o que se passa à nossa volta (quer em grande escala como em pequena) porque estes factores, do meu ponto de vista, podem contribuir para uma melhor sociedade.

“Batendo na mesma tecla”, porque acho mesmo importante, adquira este hábito: Informe-se sempre! Questione-se e procure encontrar a resposta!

fonte: livro da Professora Isabel do Carmo

Estar informado é essencial!

– Tem estado a par das notícias?
– Qual foi a sua reacção à carne de cavalo que andou a ser vendida e consumida como carne de vaca?
– Consegue relacionar esta noticia com os posts anteriores: acção reacção e poluentes conservativos?

Pois é, o facto de se consumir carne de cavalo que não foi criada para consumo pode causar problemas na saúde humana, pois o cavalo foi criado como animal ‘domestico’ levando assim um tratamento diferente da carne produzida para consumo humano.

Suponhamos que este tenha estado sujeito a vacinações com constituintes  bioacumuláveis. Assim, após morrer continua a possuir no seu organismo os constituintes da vacina (bioacumulação), pelo que quando vamos consumir esta carne vamos ingerir estes constituintes que nos poderão prejudicar. (Nota: é apenas uma suposição, não sei se tal acontece ou não, infelizmente não consegui adquirir informação para tal. Portanto tenha em atenção que o exemplo acima não tem fundamento comprovativo, é apenas uma forma de despertar o seu lado de questionar o que se passa à sua volta).

É muito importante termos acesso a uma informação correcta, pelo que devemos ‘lutar’ por ela e contribuir para tal. Se se lembrar do vídeo do exemplo 3 no post acção reacção, lá temos o exemplo de que nem tudo o que esta no rotulo do alimento é o que estamos realmente a comer…

Adquira este novo hábito, ‘lute’ e contribuía para uma melhor informação!